Paulo Lima: Anseio de liberdade


Eu vivo interessado nas piores teorias
Na força da sinfonia ou nas historias tão banais, Nas façanhas de um belo dia e dos fatos em Jornais.
Interessado nas historias tão sem lógica dos maginais...
Eu continuo interessado nas peças teatrais
Em poemas tão singelos como fatos surreais,
Minha verdadeira graça é assinar minha alforria,
E minha calma é a espera por saber que você é minha alegria...
A vida amarga é tão cruel quanto a falta das asas de uma andorinha.
Da vida colhemos os frutos das coisas que fizemos algum tempo atrás,
Jovens perdendo a vida por coisas tão fúteis e medonhas.
Não venha cara cegonha, nesta face tão risonha trazer uma tragedia a mais...
Não quero as sombras das noites,
Na chuva de feridas não vou me molhar jamais.
Essa vida tão amarga que não me permite deixar em paz, me trás uma angustia diária, na face de um pobre rapaz...
As demais marcas no rosto, é de tanto ter desgosto das façanhas matinais.
E é de ter pena amigos, dos pobres inimigos dos falsos policiais.
Uma pena possuo no peito, rogo pela virgem de aparecida,
Uma pena dessa gente e de suas pobres vidas..

Paulo Lima

Comentários