Paulo Lima - Era uma vez

Era uma vez...
Era uma vez uma casa de palha, uma gente simples mas feliz.
Era uma vez uma terrinha farta, seca mas feliz.
Era uma vez...
Era uma vez um Sol pra lá de quente, uma gente com alegria.
Uma terra onde era opção de se morar, a comida era farta e viver era a prioridade.
Uma terra onde as crianças eram capazes de fazer cirandas, os senhores fumavam seus cigarros com folhas de bananeira, as senhoras sentavam em suas calçadas a espiar os mexericos.
Era uma vez um Cabaré de respeito, quengas que se valorizavam e jagunços que as amavam.
Era uma vez, o centavo, um escravo, uma alforria.
Era uma vez senhores destemidos a levantar as quatro da matina para ordenhar vacas.
Era uma vez o cheiro da urina dos animais no curral.
Um tempo onde as mudanças eram constantes e trinta anos passavam num piscar de olhos
Onde o chapéu de couro, o gibão e a boiada era a única herança que os pais passavam para os filhos, e eles valorizavam. Quando chegava a chuva os mais velhos choravam dando graças a Deus...
Era uma vez um tempo bão de se viver.


Era uma vez...

Paulo Lima
(Poeta Jacobinense)

Comentários